segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Cientistas identificam mistérios na abertura do Sepulcro de Cristo

Na abertura do Santo Sepulcro alguns cientistas reportaram um 'suave aroma'  e os aparelhos funcionaram de modo anormal
Na abertura do Santo Sepulcro cientistas reportaram um 'suave aroma'
e os aparelhos funcionaram de modo anormal
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: O Santo Sepulcro aberto, a Ressurreição de Jesus Cristo e a “ressurreição” da Igreja em nossos dias




Alguns arqueólogos que trabalharam na abertura do Santo Sepulcro disseram ter percebido fenômenos não habituais nesse tipo de investigações.

Segundo informou CatholicCulture.org, eles relataram que se aproximando da pedra original sobre a qual repousou o corpo de Cristo ungido por Nossa Senhora perceberam um “aroma suave”.

Esse seria comparável aos perfumes florais que também foram relatados em aparições de Nossa Senhora ou dos santos, como aconteceu no enterro de Santa Teresinha.

Os especialistas também contaram que os aparelhos eletrônicos ligados sobre o Santo Sepulcro começaram a funcionar mal ou pararam completamente, como se fossem afetados por forças eletromagnéticas não identificadas até agora.

O site “Aleteia” forneceu maiores informações.

As falhas nos aparelhos aconteciam quando esses eram colocados em posição vertical sobre a pedra em que repousou o corpo morto de Cristo até a Ressurreição.

As hesitações de uma responsável e a resposta da Providência

Marie-Armelle Beaulieu, diretora da revista Terre Sainte Magazine deu impressionante testemunho.
Marie-Armelle Beaulieu,
diretora da revista Terre Sainte Magazine
deu impressionante testemunho.
Marie-Armelle Beaulieu, diretora do site da Custodia Franciscana de Terra Santa e chefe de redação da revista da mesma Custodia Terre Sainte Magazine, foi uma das poucas pessoas, cientistas e responsáveis religiosos, que teve licença para visitar o sacro túmulo aberto.

Ela se mostrou cética quanto ao “odor suave” de que outros falavam. Para ela um odor facilmente pode ser resultado de uma autossugestão. Ela diz que não percebeu aroma particular algum.

Porém, durante a abertura anterior do sepulcro, que foi parcial e esteve a cargo do arquiteto Nikolaos Komnenos em 1809, o cronista da época também fez menção a um “doce aroma”.

Segundo Marie-Armelle, as pessoas que se interessam pelo Santo Sepulcro conhecem bem esse texto, e de ali tira a tese da autossugestão.

Porém, as informações nada dizem se os cientistas que estão trabalhando no Sepulcro sabiam algo desse antecedente histórico. Não há dados que apontem católicos entre eles, sendo mais provável que fossem maioritariamente cismáticos, sem religião ou até agnósticos.

Não seria estranho que a graça tenha querido tentar toca-los com um sinal sensível, material, como os “aromas florais”.

Entretanto, Marie-Armelle Beaulieu se mostra bem menos cética a respeito das perturbações eletromagnéticas no instrumental científico.

Segundo ela, o fenômeno foi confirmado a ela própria por um dos cientistas que acessaram o Sepulcro.

A diretora das obras, professora Antonia Moropoulou da Universidade de Atenas, observou enfaticamente que é difícil um profissional relevante colocar a própria reputação em risco procurando notoriedade com um “truque publicitário”.

Ele não teria deturpado os fatos acontecidos durante uma atividade profissional e da relevância desta, tão sujeita à crítica de um grupo numerosos de outros cientistas engajados nos trabalhos.

Acresce que os cientistas manifestaram surpresa durante a abertura do Sepulcro porque esperavam que a pedra estivesse em um nível muito mais baixo do que estava de fato.

As análises prévias que induziram a esse erro teriam sofrido distorções provocadas pelas perturbações eletromagnéticas do sepulcro de Cristo. O fato portanto está constatado, mas até hoje não há explicações sólidas para ele, só apenas hipoteses.

Uma constatação de outra natureza: a abertura da pedra frontal e a revelação da pedra interna sobre a qual foi depositado o corpo de Cristo estão de acordo com os costumes fúnebres dos judeus do século I, reforçando os argumentos em favor da autenticidade histórica.

Abertura protegida com vidro blindado agora permite ver a parede do túmulo sagrado
Abertura protegida com vidro blindado agora permite ver a parede do túmulo sagrado
Embora Marie-Armelle Beaulieu, que é católica, tenha externado ceticismo sobre os aromas, ela narrou uma experiência pessoal que tal vez vale mais do que a percepção de ditos odores florais.

Ela se referiu aos imponderáveis sobrenaturais do local. E começou dizendo:

“Para mim seria extraordinário se os peritos conseguissem demonstrar que esta pedra foi mesmo o local em que se colocou o corpo de Cristo, mas, mesmo que eles provassem o contrário, ela ainda continuaria sendo um sinal da Ressurreição”.

E explicou a razão dessa sua aparente contradição:

“A igreja do Santo Sepulcro é um local desconcertante.

“No começo eu não gostava muito dela. Esperava uma igreja linda e encontrei esse lugar de arquitetura estranha, que não lembra em nada as cenas bíblicas.

“Não há nenhum rastro do jardim, por exemplo.

“Mas, com o tempo, fui desenvolvendo um apego durante as procissões de que participo com os franciscanos. Não é um lugar para visitar, mas para orar.

“Graças a um religioso, eu pude entrar até a rocha que sustentou o corpo de Cristo, algo que nunca teria imaginado!

“Eu me senti num estado estranho, como que sem gravidade, mas me lembro de todos os detalhes. Nunca mais irei ao Santo Sepulcro da mesma forma”.

Sem dúvida, para a hesitante Marie-Armelle, a Providência parece ter reservado um tratamento diverso e de uma grande elevação espiritual.

Ingresso ao Santo Sepulcro em foto anterior ao restauro em andamento.
“Agora, continuou ela, já recolocaram a pedra de mármore e só é possível ver a cripta parcialmente, através de uma abertura (protegida com um cristal blindado, ndr). Mas eu sei que a pedra está lá.

“Eu tinha o costume de fazer uma genuflexão diante do túmulo de Cristo, mas depois refleti e achei que isso é absurdo, porque lá não há mais nenhuma Presença real!

“E diante da santa Eucaristia que devemos fazer a genuflexão!

“Mas, no Santo Sepulcro, diante desse túmulo, há uma ‘Ausência real’. Um túmulo vazio! Um milagre diante do qual todo joelho se dobra, no Céu, na terra e nos infernos”.

São Tomé apóstolo não creu na ressurreição de Nosso Senhor como acreditaram os outros Apóstolos. E disse que não acreditaria até enfiar seus dedos nas chagas abertas em Nosso Senhor pela Paixão na Cruz.

24. Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.

25. Os outros discípulos disseram-lhe: Vimos o Senhor. Mas ele replicou-lhes: Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei!

26. Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco!

27. Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé.

28. Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus!

29. Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto! (São João, 20, 24-29)

Marie-Armelle não sentiu os aromas e, é claro, não tocou – nem poderira – nas feridas de Nosso Senhor.

Mas, ele foi tocada por uma graça que lhe fez compreender que no Santo Sepulcro se opera em continuidade “um milagre diante do qual todo joelho se dobra, no Céu, na terra e nos infernos”, nas palavras dela.

E tal vez isso vale mais do que tudo.

Essa ação, segundo me contaram peregrinos que ali estiveram, se faz sentir no local para todos os que chegam até ele com o coração contrito e humilhado.

E às vezes, impressiona até os que concorrem com o espírito endurecido e saem transformados!

A prova da laje dos Cruzados e a surpresa dos arqueólogos

O arqueólogo Fredrik T. Hiebert integrou a equipe do National Geographic.jpg
O arqueólogo Fredrik T. Hiebert integrou a equipe do National Geographic.
Quando os arqueólogos descobriram a segunda laje de cor cinza escuro com uma Cruz gravada pelos Cruzados, levaram uma surpresa, segundo disse o arqueólogo Fredrik T. Hiebert que fazia parte da equipe do National Geographic, citado por “The Daily Mirror”.

“Nós não fazíamos ideia que essa laje estivesse ali. O santuário foi destruído tantas vezes por incêndios, terremotos e invasões ao longo dos séculos.

“Em verdade, nós nem tínhamos certeza se a basílica havia sido reconstruída exatamente no mesmo local de cada vez.

“Mas [a laje dos Cruzados] se apresenta como a prova visível de que o local focado pelo culto dos fiéis hoje é verdadeiramente o mesmo túmulo que o imperador romano Constantino localizou no século IV e que os Cruzados reverenciaram. É surpreendente.

“Quando nós realizamos aquilo que tínhamos encontrado meus joelhos tremeram um pouco”, acrescentou Hiebert.

O Santo Sepulcro foi aberto na presença dos líderes religiosos responsáveis pelo santuário. Eles foram os primeiros a ingressar e saíram exibindo grandes sorrisos.

Santo Sepulcroa laje dos Cruzados (escura) e a pedra sobre a qual foi depositado o Corpo de Nosso Senhor morto (cor clara)
Santo Sepulcroa laje dos Cruzados (escura)
e a pedra sobre a qual foi depositado o Corpo de Nosso Senhor morto (cor clara)
“Então nós ficamos curiosos deveras, contou Hiebert. Quando foi nossa vez, olhamos para a tumba e vimos um monte de entulho. Portanto não estava vazia, mas não havia objetos feitos por homens ou ossos”.

Isso é comum em túmulos antigos, mas se tivesse havido falaria contra a Ressurreição.

Os cientistas usaram radares que perpassam o chão e scanners térmicos para coletar toda a informação possível.

Nessa função trabalharam 35 especialistas em conservação de antiguidades que empregaram 60 horas para remover o entulho, documentando cada passo.

Por fim, eles chegaram até a pedra que serviu de leito mortuário de Nosso Senhor poucas horas antes do prazo combinado em que eles deveriam voltar a selar o Sepulcro.

A equipe reuniu tantos dados que serão necessários meses a fio para analisa-los.

Fredrick Hiebert explicou que “frequentemente na arqueologia o momento de exclamar ‘Eureka!’ não acontece no próprio local de escavação. Ele acontece quando você volta a casa e examina os dados que coletou. Quem sabe o que isto vai nos revelar”, concluiu admirado.



O túmulo de Jesus reaberto por vez primeira em séculos (National Geographic)







segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O Santo Sepulcro aberto, a Ressurreição de Jesus Cristo e a “ressurreição” da Igreja em nossos dias

Portinha de ingresso no Santo Sepulcro enquanto a equipe de restauração retirava o mármore superior.
Portinha de ingresso no Santo Sepulcro enquanto a equipe de restauração retirava o mármore superior.

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




continuação do post anterior: Lições do Santo Sepulcro de Jesus Cristo aberto após séculos para exame científico




Por que fizeram estes trabalhos?

Durante a restauração de 1810, foi erigida sobre o sagrado Santo Sepulcro uma pequena estrutura artística conhecida como edícula (do latim aedicule, ou “casinha”).

Essa edícula há tempos pedia uma restauração e a Autoridade das Antiguidades do governo de Israel acabou declarando-a insegura impondo uma reforma.

Após muita discussão uma equipe de cientistas da Universidade Técnica Nacional de Atenas, sob a direção de seu supervisor científico chefe, a professora Antônia Moropoulou, ficou a cargo da empreitada.

Essa Universidade havia demonstrado sua competência restaurando a Acrópole de Atenas e a catedral Santa Sofia de Istambul.

Doadores privados e públicos forneceram contribuições por mais de US$ quatro milhões para financiar o projeto.

A edícula sobre o Santo Sepulcro cuja restauração motivou os trabalhos.
A edícula sobre o Santo Sepulcro cuja restauração motivou os trabalhos.
Um trabalho completo exigia uma análise do estado da rocha sobre a qual se apoia a edícula. Mas essa é a própria rocha na qual foi aberta a câmara mortuária onde aconteceu a Ressurreição.

Acrescia que além da Tradição e documentos muito antigos, a única fonte incontrovertível que atestava que ali estava o Santo Sepulcro era o testemunho de Santa Helena, que recuperou o túmulo no ano 326. Portanto, há quase 1.800.

Também nunca falta o zum-zum dos incrédulos sofismando se tratar tudo de uma superstição religiosa e lá embaixo não ter nada, ou algum túmulo alheio ou como qualquer outro.

O fato de milhões de peregrinos passarem todo ano sobre o Santo Sepulcro durante séculos poderia ter alterado a resistência da rocha.

Era prudente, necessário e útil sob vários pontos de vista fazer uma vistoria do local.

Mas, se era para abrir o Sepulcro, era o caso de se aplicar nele tudo o que a tecnologia tem de melhor para colher a maior quantidade de dados científicos possível.

“Nós estamos no momento crítico de restaurar a edícula”, explicou a professora Moropoulou.

“A tecnologia que estamos usando para documentar este monumento único permitirá que o mundo inteiro estude nossos achados como se ele próprio tivesse entrado na tumba de Cristo”.

O que acharam?

Especialistas removendo a placa de mármore que recobre o Sepulcro de Cristo.
Havia especialistas que acreditavam que o túmulo havia acabado sendo destruído após tantas ocorrências históricas. Porém, uma varredura inicial por radar mostrou que a cova estava íntegra e que tinha uma profundidade de 1,28 metros (6 pés).

Acresce que as varreduras foram feitas na igreja toda e foram detectadas pelo menos outras seis covas funerárias embaixo dela.

Nada de espantar, pois o local fora um cemitério. O nome do local em hebraico que os Evangelhos nos transmitem é “Gólgota” que significa “monte das caveiras”.

Porém, só uma das covas detectadas coincidia com o local apontado como sendo o Santo Sepulcro venerado durante dois mil anos pela tradição ininterrupta dos fiéis: embaixo da edícula.

Os especialistas removeram em primeiro lugar a grande peça de mármore sobre a qual os fiéis rezam depositam flores e votos.

Embaixo dela havia uma camada de entulho sobre a qual pousava a placa. Após a cuidadosa remoção do entulho foi identificada uma nova placa de pedra que tinha entalhada uma cruz e estava rachada ao meio.

O último que viu essa placa de mármore foi por volta de seis séculos atrás.

O arqueólogo Fredrik Hiebert explicou se tratar de uma peça do século XII da qual só se tinha notícia escrita.

Ela teria sido mandada rachar para que, em caso de saque muçulmano, esses saqueadores de tumbas julgassem que não tinha valor comercial e não prosseguissem adiante na profanação.

Tudo concordava com o que se sabia do Santo Sepulcro.

Os trabalhos prosseguiram. Embaixo da placa cruzada havia ainda mais recheio que foi cuidadosamente removido.

Por fim a pedra sagrada original se revelou intacta ante os cientistas.

“Meus joelhos estão tremendo!”

Santo Sepulcro a pedra escura com uma cruz é a laje dos cruzados. A pedra clara é do túmulo original. Sobre ela foi depositado Jesus morto e nela ressuscitou
Santo Sepulcro a pedra escura com uma cruz é a laje dos cruzados.
A pedra clara é do túmulo original.
Sobre ela foi depositado Jesus morto e nela ressuscitou
“Eu estou absolutamente espantado. Meus joelhos estão tremendo porque eu não imaginava ver isto”, reconheceu o arqueólogo Fredrik Hiebert, do National Geographic.

“Não podemos garantir 100%, mas isso aparece como a prova de que o posicionamento da tumba não foi mudado com o tempo, uma coisa que cientistas e historiadores de perguntaram durante décadas”, acrescentou.

“Esta é a Rocha Santa que vem sendo venerada há séculos, mas só agora pode realmente ser vista”, disse a professora Antonia Moropoulou, que lidera a restauração.

As características do local batem com os primeiros relatos de sepultamento de Jesus contidos nos evangelhos.

Os arqueólogos identificaram mais de mil túmulos semelhantes cortados na rocha ao redor de Jerusalém, explicou o arqueólogo do National Geographic Jodi Magness.

Todos os detalhes do Santo Sepulcro são “perfeitamente consistentes com o que sabemos sobre como ricos judeus sepultavam seus mortos no tempo de Jesus”, sublinhou Magness. Pois era o túmulo do rico São José de Arimateia.

Os Evangelhos especificam que Jesus foi enterrado fora de Jerusalém, perto do local de sua crucificação no Gólgota (“o lugar de crânios”).

A presença de pelo menos uma meia dúzia de outros túmulos do período é importante evidência arqueológica, de acordo com Magness. “O que eles mostram é que, de facto, esta área era um cemitério judeu fora dos muros de Jerusalém na época de Jesus.”

De acordo com Dan Bahat, ex-arqueólogo da cidade de Jerusalém, “nós não podemos estar absolutamente certos que a Igreja do Santo Sepulcro é o local de enterro de Jesus, mas certamente não há outro sitio do qual se pode afirmar isso com tanta forca, portanto nós realmente não temos nenhuma razão para rejeitar sua autenticidade”.

O arqueólogo Martin Biddle, autor de um estudo seminal sobre o Santo Sepulcro, acredita que agora vai se analisar cuidadosamente os dados recolhidos. “As superfícies da rocha deve ser olhadas com o maior cuidado procurando minuciosamente vestígios de grafites”.

Biddle aludia a outros túmulos cujos muros ficaram pintados ou riscados com cruzes e inscrições.

Após consciencioso fechamento, a equipe da Universidade Técnica Nacional de Atenas continua a restauração da edícula, coletando informações valiosas que os estudiosos analisarão durante anos para entender melhor um dos locais mais sagrados do mundo.

A Ressurreição de Cristo, Beato Fra Angelico (1395 – 1455). Convento de San Marco, Florença
A Ressurreição de Cristo, Beato Fra Angelico (1395 – 1455).
Convento de San Marco, Florença
O Santo Sepulcro ficou aberto durante 60 horas nos dias 26, 27 e 28 de outubro de 2016.

Ficou instalado um vidro blindado que permitirá ver uma parte pequena da parede do santo túmulo.

Ressurreição de Cristo e “ressurreição” da Igreja

Para o jornal “The New York Times” que partilha a opinião dos céticos, até agora a única prova de que aquele é o túmulo de Jesus consiste “no poder místico que se evidencia nas lâmpadas de ouro” e no fato de ter cativado durante séculos a imaginação de milhões de pessoas no mundo todo.

Mas, acrescenta o agnóstico jornal, durante muitos séculos ninguém olhou o que havia lá dentro.

Agora, porém, como disse um religioso não católico “nós vemos com nossos próprios olhos o local onde foi enterrado Jesus Cristo”.

O incrédulo jornalista do “The New York Times” foi um dos poucos convidados a ver com seus olhos a pedra sobre a qual repousou o Corpo Santíssimo de Jesus Cristo antes da Ressurreição.

Ele ficou impressionado pela sua pobreza, de simples pedra calcária lisa e sem adornos, com uma rachadura pelo meio. Tudo isso iluminado pelo bruxuleio das velas que iluminavam nesse momento o minúsculo vão.

A Igreja Católica, a única verdadeira, nasceu do costado de Nosso Senhor Jesus Cristo aberto pela lançada do centurião.

Após essa derradeira ferida, o Corpo morto foi descido da Cruz para ser enterrado por Nossa Senhora – auxiliada pelas santas mulheres, São João e São José de Arimateia – no Santo Sepulcro.

E ali ressuscitou.

Não deve espantar ninguém que a Igreja Católica passe por circunstâncias e crises assustadoras.

Mas Ela é imortal por promessa de Cristo e há de vencer as trevas de hoje e voltar a resplandecer novamente numa espécie de ressurreição, comparável à de Seu Divino Fundador.


continua no próximo post: Cientistas identificam mistérios na abertura do Sepulcro de Cristo


Momentos nos trabalhos no Santo Sepulcro









Igreja do Santo Sepulcro (antes da restauração) em 360º
Para “entrar” no Sepulcro clique na última foto da série embaixo




segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O Santo Sepulcro de Jesus Cristo
aberto após séculos para exame científico


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs
(Se seu email não visualizar o vídeo acima CLIQUE AQUI)


Pela primeira vez em quase dois milênios, cientistas puderam entrar em contato com a pedra original sobre a qual foi depositado o Santíssimo Corpo de Jesus Cristo envolvido nos panos mortuários, dos quais o mais famoso é o Santo Sudário.

O Santo Sepulcro logo antes dos trabalhos de restauração.
O Santo Sepulcro logo antes dos trabalhos de restauração.
A cova original hoje se encontra albergada na igreja do Santo Sepulcro na parte velha de Jerusalém. Ela está coberta por uma lápide de mármore que data pelo menos do ano 1555, ou quiçá de séculos anteriores ainda.

“O que achamos é surpreendente”, explicou à agência de notícias Associated Press o arqueólogo Fredrik Hiebert, da National Geographic Society, que participa no projeto. “Passei um tempo na tumba do faraó egípcio Tutancâmon, mas isso é mais importante”.

“Serão necessárias muito demoradas análises científicas [dos abundantes dados recolhidos], mas nós por fim pudemos ver a superfície original de rocha sobre a qual foi depositado o corpo de Cristo”, acrescentou.

De fato, até hoje não existiam gravuras desse leito de rocha calcária que, a fortiori, nunca foi fotografado. Tudo o que havia eram reproduções artísticas, mais ou menos felizes.

O Santo Sepulcro foi aberto durante 60 horas para os cientistas e, depois, voltou a ser lacrado em seu estado anterior.

Os especialistas deixaram aberta uma janela retangular em uma das paredes revestidas de mármore da edícula (pequena casa, ver embaixo) desde onde os peregrinos poderão vislumbrar pela primeira vez parte da parede de calcário da tumba de Jesus Cristo.

De onde provém esse túmulo?

Segundo os Evangelhos, o Corpo de Jesus Cristo foi depositado num leito mortuário escavado na pedra de morro vizinho da crucificação.

Em verdade a distância é mínima do local da crucificação. Por isso mesmo, os dois locais se encontram sob o teto da mesma igreja, separados apenas por poucas dezenas de metros.

O túmulo já existia antes de Paixão e pertencia a São José de Arimatéia que o mandara fazer para si, mas o cedeu para o Santíssimo Redentor.

São José de Arimatéia era um homem rico, um grande comerciante dono de uma frota de navios cujos interesses chegavam até a atual Grã-Bretanha.

Também era senador e membro do Sinédrio, o colégio dos mais altos magistrados religiosos do povo judeu. Secretamente ele era discípulo de Jesus.

Imagem procissional de São José de Arimateia, igreja de São Tiago, Zambales, Filipinas.
Imagem procissional de São José de Arimatéia,
igreja de São Tiago, Zambales, Filipinas.
Foi ele que obteve de Pilatos a libertação do corpo e cobriu as caríssimas despesas de sua preparação, oferecendo até o linho do Santo Sudário.

Em represália dessa generosidade, o Sinédrio mandou persegui-lo e lhe expropriar suas grandes posses. Ele foi abandonado por amigos e familiares.

Após passar 13 anos no cárcere, São José de Arimatéia foi libertado pelo novo governador romano Tibério Alexandre, reconstituiu sua grande fortuna e passou a usá-la para a difusão da fé. Faleceu em plena atividade missionária.

Sua festa litúrgica é celebrada em 17 de março no Ocidente e em 31 de julho no Oriente. Em sentido contrário ao “moço rico” do Evangelho recusou o chamado de Cristo por amor às riquezas, São José de Arimatéia é exemplo acabado do rico que usa de seus capitais para servir melhor ao Redentor e sua obra.

São Marcos escreveu dele que era um

“ilustre membro do conselho, que também esperava o Reino de Deus; ele foi resoluto à presença de Pilatos e pediu o corpo de Jesus” (São Marcos, 15, 43).

São Mateus, ao descrevê-lo, sublinha ser um homem rico discípulo de Jesus:

57. À tardinha, um homem rico de Arimatéia, chamado José, que era também discípulo de Jesus,

58. foi procurar Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Pilatos cedeu-o.

59. José tomou o corpo, envolveu-o num lençol branco

60. e o depositou num sepulcro novo, que tinha mandado talhar para si na rocha. Depois rolou uma grande pedra à entrada do sepulcro e foi-se embora. (São Mateus, 27, 57ss)

Por sua vez, São João em seu evangelho registra:

39. Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés.

40. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar.

41. No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado.

42. Foi ali que depositaram Jesus por causa da Preparação dos judeus e da proximidade do túmulo. (São João 19,39-40)

E ainda São Lucas:

50. Havia um homem, por nome José, membro do conselho, homem reto e justo.

51. Ele não havia concordado com a decisão dos outros nem com os atos deles. Originário de Arimatéia, cidade da Judéia, esperava ele o Reino de Deus.

52. Foi ter com Pilatos e lhe pediu o corpo de Jesus.

53. Ele o desceu da cruz, envolveu-o num pano de linho e colocou-o num sepulcro, escavado na rocha, onde ainda ninguém havia sido depositado. (São Lucas, 23, 50-53)

A incolumidade milagrosa do Sepulcro

Santa Helena imperatriz mandou construir a primeira igreja do Santo Sepulcro. Basílica de Santa Helena em Birkirkara, Malta
Santa Helena imperatriz mandou construir a primeira igreja do Santo Sepulcro.
Basílica de Santa Helena em Birkirkara, Malta
As descrições dos evangelistas nos permitem fazer uma ideia do túmulo onde aconteceu a Ressurreição. Elas precisam o local onde está. Porém, a história subsequente submeteu esse sagrado túmulo a graves riscos de desaparição.

Porque o Santíssimo Sepulcro ficou no centro de tremendas borrascas históricas cujos efeitos perduram em nossos dias. Podemos até julgar a título pessoal que sua preservação é um milagre histórico.

Também é uma figura do Corpo Místico de Cristo que é a Santa Igreja Católica atravessando horrorosas tempestades que nada acabaram podendo contra Ela ao longo dos séculos.

Vejamos a história do Santo Sepulcro.

Após a destruição de Jerusalém em 70 d.C., o imperador romano Adriano ordenou construir sobre as ruínas uma cidade pagã de nome Élia Capitolina. Foram feitas, então, imensas terraplenagens.

Pelo plano, a sepultura de Jesus ficou coberta com terra. Sobre ela foi erigido um templo dedicado a Vênus (Afrodite para os gregos), deusa da sensualidade. Enquanto isso os cristãos padeciam as perseguições.

O inferno parecia confabulado para extinguir a Igreja nascente.

Em 313, o imperador Constantino encerrou as perseguições. Em 326, sua mãe Santa Helena visitou Jerusalém procurando as relíquias da Paixão e identificou o local da crucificação (o Gólgota) e a cova chamada Anastasis (“ressurreição”, em grego).

O imperador católico aprovou construir um santuário que substituiria o templo de Vênus do imperador pagão Adriano. A nova igreja ficou conhecida desde então como a do Santo Sepulcro.

Eusébio (265 – 339), bispo de Cesaréia e pai da história da Igreja, deixou constância desses fatos em seus escritos.

Em 614, a igreja de Constantino foi gravemente danificada pelos persas sassânidas, pagãos que tomaram Jerusalém e pilharam os tesouros da igreja, deixando apenas alguns restos escassos dela.

A basílica foi reconstruída quando Heráclio, imperador de Constantinopla, reconquistou Jerusalém.

Mas, a sucessão de invasões, restaurações, depredações e guerras estava longe de acabar...

Estado atual externo da igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém.
Estado atual externo da igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém.
Em 638, a Palestina toda e a própria Jerusalém foram ocupadas pelos conquistadores muçulmanos. Em 966, as portas e o telhado da igreja arderam durante distúrbios.

Em 1009, o califa fatímida Al-Hakim ordenou destruir todas as igrejas cristãs de Jerusalém, incluindo o Santo Sepulcro. Só os pilares do templo, que eram da época de Constantino, sobreviveram ao arrasamento.

A notícia desse aniquilamento foi decisiva para inspirar o movimento das Cruzadas.

O sucessor de Al-Hakim, o califa Ali az-Zahir permitiu a reconstrução e redecoração da igreja. A obra foi paga pelo imperador de Bizâncio Constantino IX Monômaco e por Nicéforo, patriarca de Jerusalém. Os trabalhos concluíram em 1048.

Foi essa igreja que os cruzados encontraram em 1099 entrando em Jerusalém. O templo restaurado pelos cruzados foi reconsagrado em 1149. No seu essencial, é o que existe atualmente.

Em 1187, o caudilho islâmico Saladino voltou a invadir a cidade, mas proibiu a destruição dos edifícios religiosos cristãos.

No século XIV, o local passou a ser administrado por monges católicos e por monges cismáticos gregos, aos quais se somaram outras denominações religiosas.

Nos séculos seguintes foram feitas diversas restaurações, se destacando a de 1810 por iniciativa britânica após um grande incêndio e as ocorridas entre 1863 e 1868. Em 1927, mais um abalo sísmico causou importantes estragos à estrutura da igreja.



continua no próximo post: O Santo Sepulcro aberto, a Ressurreição de Jesus Cristo e a “ressurreição” da Igreja em nossos dias










segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Uma grande razão para rezarmos pelas almas dos falecidos:
o Purgatório

Fachada da igreja do Sagrado Coração do Sufrágio
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Pensando no bem que podem ganhar nesta data religiosa as almas dos fiéis defuntos -- ente as quais pode haver parentes ou amigos nossos -- reproduzimos a continuação o post Museu das almas do Purgatório 1: uma janela para o além que merece ser mais estudada com estimulante matéria a respeito para rezarmos por essas almas.



Indo à Basílica de São Pedro pelo Lungotevere – a avenida que bordeja o histórico rio Tibre – o romeiro é surpreso por uma bonita igreja que tem o imponderável de conter algo muito singular.

Não é só o fato de seu estilo neogótico evocar a França e destoar do distendido conjunto arquitetônico romano.

Luminosa, delicada, esguia, sorridente, mas infelizmente fechada boa parte do dia, a igreja do Sagrado Coração do Sufrágio fica a dois quarteirões de Castel Sant’Angelo e da Via dela Conciliazione, que leva direto ao Vaticano.

VER EM GOOGLE MAPS

Perguntei a amigos romanos o que havia nessa igrejinha.

Eles me explicaram – não sem antes me prevenirem de não me espantar – que lá havia um Museu das Almas do Purgatório.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A cidade que viu a luta entre Davi e Golias

Davi vitorioso sobre Golias.
Bartolomeo Bellano (Padua 1437–1497).
Metropolitan Museum of Art, New York City.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Khirbet Qeiyafa, vale de Israel, é o nome moderno do local que serviu de quadro para um evento que marcou época há milênios.

Uma equipe de arqueólogos acredita ter desenterrado os restos da cidade que ali ficava e que teria testemunhado de alguma forma a batalha singular entre Davi e Golias.

Essa cidade de onde partiu o jovem pastor Davi, futuro rei de Israel, havia entrado no mistério da História e agora reaparece, segundo informa o Jewish News Service.

Os restos apontam uma cidade que há três mil anos tinha duas portas de acesso e que é mencionada no relato bíblico da luta de Davi contra Golias

Foram necessários sete anos de escavações. Mas os frutos agora podem ser vistos na mostra “No Vale de Davi e Golias” inaugurada em Jerusalém.

Os achados em Qeiyafa intrigaram historiadores e arqueólogos desde o primeiro momento em que foram revelados.

As ruínas foram desenterradas entre Soco e Azeca, na fronteira dos territórios filisteus e judeus, dois povos que se digladiaram a morte entre si simbolizando a luta entre o Bem e o Mal, entre os filhos de Deus e os filhos da serpente.

De um lado, os judeus, o povo eleito e amado por Deus no qual haveria de nascer o Messias, Redentor do Mundo, das entranhas imaculadas de Maria, descendente de Davi.

Do outro lado, os filisteus, povo do qual se poderia reputar entregue a todas as formas de mal. Confira a respeito: Arqueólogos acham restos do povo filisteu açoite dos israelitas

A luta desses povos símbolos teve um auge simbólico, místico e militar na luta entre Davi e Golias, do qual nos fala o primeiro livro de Samuel:

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

O Pe. Gabriele Amorth, exorcista de Roma, partiu para a eternidade

O Pe. Gabriele Amorth, exorcista da diocese de Roma
O Pe. Gabriele Amorth, exorcista da diocese de Roma
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Agência Boa Imprensa – ABIM



Em 16 de setembro [2016], aos 91 anos de idade faleceu o Exorcista da diocese de Roma, que sempre alertou a respeito do perigo da crescente ação diabólica na atualidade.

Em memória do Revmo. Pe. Gabriele Amorth transcrevemos a seguir uma importante entrevista que ele concedeu com exclusividade para a revista Catolicismo e publicada em sua edição Nº 596, de agosto de 2000.

O Padre Gabriele Amorth, da Pia Sociedade de São Paulo é muito apreciado por seus livros sobre Nossa Senhora e sua atividade apostólica jornalística. Seu programa na Radio Maria peninsular contava com 1.700.000 ouvintes.

O Pe. Amorth tornou-se mundialmente conhecido com o lançamento de sua obra Um exorcista conta-nos, em 1990. Tal obra alcançou notável êxito editorial na Itália, tendo sua tradução portuguesa obtido várias edições.

A partir de então, a mídia internacional vem focalizando a atuação desse sacerdote, nomeado Presidente da Associação Internacional dos Exorcistas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

No resgate do Santo Sudário, um milagre em meio às chamas

A capela em chamas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na noite de 11 para 12 de abril de 1997, pavoroso incêndio ameaçou destruir para sempre uma das mais preciosas relíquias do mundo católico: o Santo Sudário de Turim, mortalha que envolveu por três dias o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo, após sua Crucifixão até sua Ressurreição.

Só depois de longo e extenuante combate do corpo de bombeiros, o sacrossanto Linho pôde ser salvo das chamas. Além do Palácio Real, o incêndio destruiu quase completamente a capela de Guarino Guarini — contígua à Catedral de Turim — onde se encontrava a relíquia.

Alguns órgãos da imprensa italiana levantaram suspeitas de o incêndio ter sido criminoso.

Naquele momento dramático, em que tudo parecia perdido, assistimos a uma das mais belas cenas de heroísmo: o bombeiro Mario Trematore lançou-se destemidamente entre as chamas, e com uma grossa barra de ferro golpeou repetidas vezes o vidro à prova de bala que protegia a relíquia, recuperando-a em seguida. Instantes depois, a cúpula inteira da capela desabou.

Com o recuo de uma década, e tendo presente a comoção do mundo católico em vista daquela tragédia que quase se consumou, Catolicismo pediu a seu correspondente em Milão, Sr. Roberto Bertogna, que entrevistasse o Sr. Mario Trematore, a fim de que este narrasse a nossos leitores o emocionante resgate, bem como as lembranças mais significativas que tal acontecimento deixou vincadas em sua alma.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

As ruínas de Laodiceia e o fim do mundo

"Sou rico e cheio de bem, de nada tenho falta;
e não sabes que és um infeliz,
e miserável, e pobre, e cego, e nu."
Ruínas de Laodicéia
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em meio às ruínas de Laodiceia foi localizado o local da antiga igreja católica, informaram o diário italiano “Avvenire” e o turco Hurriyet.

Laodiceia é uma das sete Igrejas para as quais São João escreve no Apocalipse, último livro da Bíblia.

A cidade de Laodiceia ‒ hoje em território turco ‒ foi inteiramente arruinada e abandonada, mas os escombros que ficam falam de sua grandeza, riqueza e esplendor.

A cidade morna na Fé acabou desaparecendo totalmente.

Tal vez os habitantes dos tempos apostólicos julgassem que essa perspectiva era impensável, entretanto foi prevista no profético livro do Apocalipse.

A descoberta foi confirmada pelo professor Celal Simsek, chefe da missão arqueológica turca que realizou as escavações.

Os restos do edifício sagrado foram identificados com o auxílio de um radar subterrâneo.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Catedrais góticas:
façanha técnica maior que a das pirâmides do Egito

Nave central da catedral de Reims, França
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A técnica é definida pela Escolástica, da mesma forma que as artes, como “recta ratio factibilium”. Quer dizer, a reta ordenação do trabalho, ou também, a ciência de trabalhar bem.

Hoje, o mal uso da técnica, a empurra para produzir para além do que é bom, e espalhar instrumentos que afligem a vida dos homens.

Nos tempos em que o espírito do Evangelho penetrava todas as instituições, a técnica produziu frutos que vão além do tudo o que a Humanidade conheceu previamente.

E, dizem especialistas, criaram prédios portentosos que parecem um quebra-cabeça para a mais sofisticada tecnologia moderna.

Um desses frutos inigualados foram as catedrais medievais.

A catedral de Colônia resistiu aos bombardeios que arrasaram a cidade na II Guerra Mundial
A catedral de Colônia
resistiu aos bombardeios que
arrasaram a cidade na II Guerra Mundial.
Até hoje especialistas tentam decifrar como fizeram os arquitetos da Idade Média para, com tão pobres instrumentos, criar obras colossais que “humilham” as técnicas modernas mais avançadas.

Os técnicos das mais variadas especialidades da construção e também da física, da química e das matemáticas se debruçam para tentar descobrir como os medievais erigiram esses prodígios arquitetônicos.

Mergulham eles nos “mistérios das catedrais”.

São muitos os mistérios que até agora não estão elucidados. Desde as fórmulas químicas desaparecidas que dão aos vitrais tonalidades únicas e irreproduzíveis até os mais complexos cálculos matemáticos e astronômicos que orientaram as proporções cósmicas das Bíblias de pedra.

Como decifrar esses enigmas?

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Dois milênios após a morte de São Paulo
restauradores descobriram sua mais antiga imagem

Descoberta mais antiga imagem de São Paulo
Arqueólogos no momento que desvendaram a pintura.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em 19 de junho de 2009 foi descoberta a mais antiga representação conhecida de São Paulo. Ela se remonta ao fim do século IV.

Segundo informou a agência Zenit, foi localizada enquanto se praticavam escavações na catacumba de Santa Tecla, na via Ostiense, não longe da basílica do Apóstolo, fora das antigas muralhas de Roma.

Os arqueólogos limpavam com raios laser uma abóbada quando descobriram um exuberante afresco.

No centro estava representado o Bom Pastor. Em volta, tinha quatro círculos com as esfinges de São Pedro, São Paulo, e mais dos apóstolos.

Os arqueólogos Fabrizio Bisconti e Barbara Mazzei forneceram todos os detalhes da descoberta. Bisconti, que é secretario da Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra e presidente da Academia Pontifícia do Culto dos Mártires, ponderou que “pode ser considerado o ícone mais antigo do Apóstolo encontrado até agora”.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Arqueólogos acham restos do povo filisteu açoite dos israelitas

Filisteu, relevo nos muros do templo egípcio de Medinet Habu,
feito pelo faraó Ramsés III.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No sul de Israel, Daniel Master, arqueólogo da Universidade de Harvard, conduz o desvendamento de um cemitério filisteu, povo do Antigo Testamento ao qual pertenceu Golias.

O local foi outrora uma câmara mortuária e se situa na cidade israelense de Ascalon (também Ashkelon), segundo noticiou o jornal “Clarín” de Buenos Aires.

O achado está revelando segredos de uma civilização desaparecida há 2.600 anos, inimiga acérrima do povo eleito.

Também está ajudando a compreender melhor o contexto cultural de importantes fatos bíblicos.

O Antigo Testamento fornece o relato mais cheio de detalhes sobre esse povo.

E agora está sendo conferido e confirmado pela arqueologia.

Diante do jornalista, o professor Master extraiu da terra arenosa o esqueleto intacto de um filisteu, enterrado junto com um frasco de perfume de terracota que sob os efeitos do tempo tinha ficado colado a seu crânio.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

O Santo Sudário à luz da ciência histórica e das críticas adversas

Pierluigi Baima Bollone, professor emérito de Medicina Legal da Universidade de Turim
Pierluigi Baima Bollone, professor emérito de Medicina Legal da Universidade de Turim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Pierluigi Baima Bollone, professor emérito de Medicina Legal da Universidade de Turim e presidente honorário do Centro Internacional de Sindonologia, escreveu o livro 2015. La nuova indagine sulla Sindone (2015. Novo inquérito sobre o Santo Sudário, Priuli & Verlucca, 2015).

Ele foi procurar se aquilo que conhecemos do Homem do Sudário tem alguma correspondência nas ciências humanas, históricas, arqueológicas, médicas, físicas, e até a numismática, segundo reportagem divulgada pela Unione Cristiani Cattolici Razionali – UCCR.

O autor registrou que as representações do rosto de Cristo já no século III evocam o rosto do Homem do Sudário.

Sob o reinado de Justiniano II (685-695), o rosto de Cristo foi reproduzido em moedas de ouro e prata. As características desse rosto coincidem de modo incrível com as do Sudário.

Em 705 o imperador Justiniano II fez cunhar outra moeda com o rosto de Jesus com rasgos mais semíticos, mas a partir de Miguel III os sucessivos imperadores retomaram a imagem do Sudário.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Exorcista: “Satanás atrás dos atentados islâmicos”

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma:
“Satanás impulsiona o Estado Islâmico, com certeza”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Os recentes atentados de Nice e Bruxelas, como os do fim do ano passado em Paris e as tentativas massivas de violação de mulheres em cidades da Alemanha e do norte da Europa no Réveillon obedecem a um objetivo: erradicar o cristianismo do mundo apagando seus últimos restos já tão diminuídos.

Nos casos citados da Europa o caráter estritamente religioso da ofensiva de crimes não aparece tão claramente, pois os atentados visam o comum dos cidadãos indiscriminadamente.

O islamismo mais moderno age diante das imagens dos velhos demônios dos templos pagãos desertos como um anjo das trevas que surge das cavernas mais escuras do inferno atropelando os seus cúmplices de menor posição.

E se volta contra o mundo ocidental que ainda pode ser chamado de cristão mais por causa do passado de que pelo presente, com o mesmo furor destruidor supra-humano.

Segundo o padre Amorth, exorcista de Roma, nas violências inauditas e nas perseguições contra os cristãos praticadas pelo Estado Islâmico, é perceptível a garra do demônio.

“Il Giornale” de Milão, perguntou ao exorcista se o pessoal do Estado Islâmico estava sendo então inspirado por Satanás, ao que o Pe. Amorth respondeu:

“Com certeza! Onde está o mal, está sempre o demônio por trás incitando. Qualquer forma de mal, grande ou pequena, sempre é sugerida pelo diabo”.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Na dieta dos Templários, o segredo de sua longevidade?

Jazigo de um cavaleiro templário, Igreja do Templo, Londres. Fundo: a mesma igreja.
Jazigo de um cavaleiro templário, Igreja do Templo, Londres.
Fundo: a mesma igreja.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O estudo e a produção de alimentos saudáveis é uma área na qual a ciência vem aplicando seus melhores recursos e conhecimentos.

Diversas especialidades da Medicina também se aplicam na análise das dietas mais apropriadas para a saúde dos variados tipos humanos, sadios e doentes, crianças, jovens e velhos, moradores da cidade, esportistas, e até astronautas.

Na Igreja Católica, as Ordens religiosas têm – ou tinham – normas especiais para a alimentação de seus membros em função de suas respectivas vocações e missões.

Encontramos desde Ordens penitenciais contemplativas de uma austeridade e penitências admiráveis e impressionantes, até Ordens dedicadas às atividades apostólicas, inclusive manuais, que têm um regime muito mais farto.

Os adversários da Igreja muitas vezes tentaram explorar os diversos graus de rigor das Ordens religiosas para debochar delas como exemplos de costumes atrasados, primitivos e em desacordo com a natureza humana, sua saúde e bem-estar.

Outras vezes, os mesmos difamadores espalham que os monges viviam uma vida desregrada em meio a comilanças e bebedeiras indescritíveis que lhes encurtavam a vida.

Agora, uma equipe internacional de professores de Medicina na revista acadêmica ‘Digestive and Liver Disease’ apresentou um trabalho científico inesperado, cujo título diz tudo: “A dieta dos cavaleiros templários foi o segredo de sua longevidade?”

Os Templários – ordem extinta há séculos – pertenciam a uma categoria especial de Ordens religiosas: eram monges cavaleiros, portanto guerreiros, que se dedicavam a proteger os peregrinos na Terra Santa.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Para matemático, chance de o Santo Sudário não ser verdadeiro
é de uma em 200 bilhões

O matemático Bruno Barberis é professor de Mecânica Racional na Universidade de Turim
O matemático Bruno Barberis é professor de Mecânica Racional na Universidade de Turim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O matemático Bruno Barberis, professor de Mecânica Racional na Universidade de Turim, desenvolveu um cálculo estatístico sobre a probabilidade de o Santo Sudário ser efetivamente o lençol mortuário que envolveu o corpo de Jesus.

O cálculo tomou como ponto de partida a imponente massa de dados coletados por outras ciências e submetidos à crítica da comunidade científica.

O resultado do professor Barberis é que a chance de o Santo Sudário não ser verdadeiro é de uma em 200 bilhões.

O autor publicou seus resultados explicando o método empregado no trabalho “L’uomo della Sindone e il calcolo delle probabilità” (O homem do Santo Sudário e o cálculo de probabilidade, Bruno Barberis, in AaVv, “Sindone. Vangelo-storia-scienza”, Elledici 2010, pp.231-246).

Numa entrevista à agência Zenit o professor Barberis explicou como chegou a tal número.



“Trata-se de um cálculo feito para verificar a correlação entre a descrição que emerge da imagem que vemos no Santo Sudário e a narração da Paixão e Morte de Jesus que lemos nos Evangelhos.

“Podemos avaliar de modo quantitativo a probabilidade de que o Homem do Sudário seja verdadeiramente o mesmo Homem do Evangelho?

“Pelos exames confirmados sabemos que se trata de um homem torturado e crucificado. Um dos muitos da História, considerando que a crucificação foi usada desde o século VII antes de Cristo até pelo menos a época do imperador Constantino.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Anjos levaram a casa de Maria de Nazareth a Loreto:
única tese que resiste à crítica científica

Translação da Santa Casa de Loreto.  Pintura anônima do século XVII, México
Translação da Santa Casa de Loreto.
Pintura anônima do século XVII, México
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Numa conferência promovida pelo Centro Cultural “Amici del Timone” de Staggia Senese, Itália, sobre “A santa Casa. História da incrível translação angélica da Casa de Maria de Nazareth a Loreto”, se desenvolveu ainda mais um tema que interroga à engenharia.

Com efeito, na cidade de Loreto, região Marche, há séculos se encontra a Santa Casa, onde nasceu Nossa Senhora e onde Ela recebeu o Anúncio da Encarnação pela voz do Arcanjo São Gabriel.

Porém, o fato se deu em Nazaré, Terra Santa. E ali se encontram os fundamentos da mesma Santa Casa. Esses, comparados com as dimensões e características Casa de Loreto coincidem perfeitamente. E as afinidades e concordâncias não acabam por ali.

Como é que a Santa Casa se descolou, por assim dizer, da sapata e foi aparecer íntegra a perto de 3.000 quilômetros de distância e ali permanece até hoje, também íntegra?


A translação aconteceu no século XIII, segundo provas históricas. Mas, como ela pode ter sido feita considerando a pobreza dos recursos tecnológicos da época?