segunda-feira, 24 de junho de 2013

Museu das almas do Purgatório 1:
uma janela para o além que merece ser mais estudada

Fachada da igreja do Sagrado Coração do Sufrágio
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Indo à Basílica de São Pedro pelo Lungotevere – a avenida que bordeja o histórico rio Tibre – o romeiro é surpreso por uma bonita igreja que tem o imponderável de conter algo muito singular.

Não é só o fato de seu estilo neogótico evocar a França e destoar do distendido conjunto arquitetônico romano.

Luminosa, delicada, esguia, sorridente, mas infelizmente fechada boa parte do dia, a igreja do Sagrado Coração do Sufrágio fica a dois quarteirões de Castel Sant’Angelo e da Via dela Conciliazione, que leva direto ao Vaticano.

VER EM GOOGLE MAPS

Perguntei a amigos romanos o que havia nessa igrejinha.

Eles me explicaram – não sem antes me prevenirem de não me espantar – que lá havia um Museu das Almas do Purgatório.

Quer dizer, uma coleção de sinais do além deixados por essas almas, que na maioria das vezes apareceram ardendo internamente a parentes ou irmãos de religião.

Sempre pedindo orações para saírem do Purgatório, onde pagavam penas devidas a seus pecados e irem para o Céu.



A igreja com destaque à direita, no centro Castel Sant'Angelo,
à esquerda sai a Via della Conciliazione rumo a São Pedro
Quando achei o horário certo, ingressei pela igrejinha do Sagrado Coração do Sufrágio naquele inédito museu.

Nele os objetos estão expostos dentro de quadros protegidos por vidros, encostados uns aos outros por causa da exiguidade da sala.

Talvez seja o menor museu do mundo. E, entretanto, pode-se dizer que o tema ao qual se dedica é mais transcendente que o de muitos museus mais ricos e famosos.

Na época, lamentei as parcas informações fornecidas numa simples folha para uso geral dos visitantes. Mas, ainda assim, os testemunhos do além muito me impressionaram.

Interior da igreja
A importância do Museu evidenciou-se ainda mais com a entrevista realizada há pouco por uma TV italiana com o pároco da igreja, o Pe. Domenico Santangini.

Como ela foi feita em italiano, transcrevi todas suas palavras para o português e apresentando-as aqui.

Os singulares objetos que fazem parte do Museu – roupas, madeiras e outros objetos queimados com formas de mãos e outras pelas almas em fogo – merecem serem estudados pela ciência.

Como católicos nada tememos sobre as verdades de Fé envolvidas no caso.

O Purgatório não foi objeto de uma definição solene ex-cathedra, mas são inúmeros os ensinamentos revelados contidos nas Escrituras e não é lícito duvidar de sua existência.

No centro do altar mor, o Sagrado Coração de Jesus recebe as orações
de Nossa Senhora e São José.
Embaixo, as almas do Purgatório se voltam para o anjo e Nossa Senhora
enquanto o sacerdote oferece a Missa pelas almas que purgam.
Se os teólogos discutem sobre ele, é apenas sobre seu lugar e outras circunstâncias que não mudam o fato essencial: o Purgatório existe e por ele devem passar as almas destinadas ao Céu, mas que devem pagar penas por faltas cometidas na Terra.

Diz-se até que a grande Santa Teresa de Jesus teria passado pelo Purgatório para fazer uma genuflexão que não fez certa vez ao atravessar uma capela...

Como sói acontecer, estudos científicos poderiam fornecer detalhes materiais que contribuiriam para compreendermos melhor a realidade desse lugar do além, o qual não está tão longe de nós como poderíamos achar.

Em consequência, nós nos sentiríamos mais convidados a rezar pelas almas que nele estão – quem garante que também nós não poderemos estaremos um dia? – e fazermos uma meditação sobre o destino final de nossa existência.

“Pensa nos teus novíssimos e não pecarás eternamente” (Eclo 7, 40) – ensinam as Escrituras.

Aliás, o caso desse museu não é o único sobre o qual as ciências não se debruçam.

Mas é algo muito concreto, material: as provas estão gravadas com fogo em panos, folhas, livros e móveis que a gente vê com os próprios olhos e que nos abre uma janela para uma imensa realidade.

Eis a transcrição da entrevista do pároco e curador do Museu do Purgatório:


Pe. Domenico Santangini, pároco do Sagrado Coração do Sufrágio, Roma: É certo que o Purgatório existe, embora não seja uma verdade de fé absoluta como o Inferno e o Paraíso. Porém, para a Igreja, é uma realidade autêntica, verdadeira.

Muitos, infelizmente, fingem não acreditar ou não acreditam de fato, por motivos pessoais. Para nós existe.

Como? Por quê?

Porque o homem é pecador e, enquanto tal, para chegar ao Senhor tem necessidade de purificação. E esta passagem das almas boas é obrigatória, uma passagem para ter uma alma limpíssima.

É lógico que o Purgatório é uma passagem para o Paraíso, não pode ser para o Inferno. Porque o Inferno é uma condenação absoluta e imediata.

Nossa Senhora do Carmo resgata almas do Purgatório.
Brooklyn Museum, escola de Cuzco, Peru
Portanto, procuremos descobrir a importância do Purgatório e de rezar muito pelas almas do Purgatório.

Porque, uma vez que estas almas entram no Paraíso, elas podem interceder por nós que estamos aqui embaixo.

Portanto, caros amigos, caríssimos fiéis, permanecei tranquilos e serenos. O Purgatório é uma grande verdade, uma grande realidade que não podemos deixar de reconhecer.

Quando falamos do além, falamos das almas do Purgatório.

Certamente podemos falar do Inferno.

Mas, não cabe a nós estabelecer quem está no Inferno ou no Purgatório. Só o Padre Eterno sabe, por isso nós cristãos de boa fé, quando encomendamos uma Missa pelos defuntos, a encomendamos pelas almas do Purgatório.

As almas santas podem se fazer sentir, “se apresentar” a nós, de muitas maneiras.

Poder ser num sonho, pode ser num elemento exterior, pode ser uma intuição, pode ser algumas vezes uma aparição.

Assim como temos nesta paróquia, existem testemunhos que põem em evidência como as almas do Purgatório pedem a nós, vivos, orações ou Santas Missas para que elas possam ser liberadas dos sofrimentos do Purgatório.

Por que o Purgatório é sofrimento? Por quê? É sofrimento porque ainda não chegaram a Deus. É o sofrimento da separação de Deus. Esta separação cessa quando entram no Paraíso.

Quem pratica o espiritismo não faz outra coisa senão invocar a alma dos mortos, mas, se respondem, esses mortos querem dizer que estão no Inferno.

Porque as almas que estão no Purgatório, embora distantes do Senhor, não se prestam ao nosso jogo humano de invocação, enquanto que as almas do inferno, que já são almas perdidas, como verdadeiros diabos então respondem, para poder atrair outras almas para onde elas estão.

Portanto, o espiritismo é exatamente o oposto da oração ou da aparição dessas almas aos vivos. É exatamente o oposto.
Altar pelas almas do Purgatório. Igreja de São Francisco, Pontevedra, Espanha

O bom cristão não pode não acreditar no Purgatório. Porque se ele não crê no Purgatório não é um verdadeiro cristão, transforma-se quase num pagão. Sim, um pagão.

Jesus nos disse muitas vezes no Evangelho que, no Fim do Mundo, Ele levará ao Paraíso as almas dos justos que dormem o sono da paz. Os levará ao Paraíso. Então, quer dizer que existe esta passagem.

Lógico, há santos que talvez vão direto ao Paraíso. Mas muitas almas, por faltas mais ou menos graves, passam pelo Purgatório.

Mas o espiritismo é uma coisa nefasta, e os cristãos que vão consultar esses charlatões cometem pecado grave, gravíssimo.

Jornalista : E fazer encomendas é pecado?

Pe. Domenico Santangini: É pior ainda. É pior ainda. Por favor, não façam essas coisas. Porque é o demônio que responde, e de fato toma conta da vossa alma.

O demônio é velhaco, velhaquíssimo. Devemos verdadeiramente evitar ir, e dizer aos outros para não fazê-lo – a nossos parentes, amigos –porque, de outro modo, podem comprometer sua alma.

Quando dizemos que alguém vende a alma ao demônio é através dessa via, desse espiritismo, dessas evocações.

Continua no próximo post


11 comentários:

  1. Maria das Graças24 de junho de 2013 19:39

    Ó Maria concebida sem pecado, livrai as almas do sofrimento do Purgatório. Com disse a Jacinta se a gente pensasse mais na Eternidade mudaríamos de vida. Jesus eu confio em Vós

    ResponderExcluir
  2. O meu antigo pároco, ensinou-nos a rezar ao final de cada mistério do terço: Ó meu Jesus perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno, e aliviai as almas do purgatório, especialmente as mais abandonadas. Sempre rezo assim!

    ResponderExcluir
  3. É pela fé que conseguimos desvendar as trevas que surgem em nosso caminho, posto haver na fé a comunicação direta com Deus em nós.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  4. artigo maravilhoso. Muito grato!!!! Rezemos pelas almas do purgatório, sempre!!!!
    Abraços,
    Urbano Medeiros (maestro)
    C.P: 170
    35660-970 Pará de Minas- MG

    ResponderExcluir
  5. Na recitação do Santo terço rezo sempre "Ó, Meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem da Vossa Misericórdia. Amém"

    ResponderExcluir
  6. BOM DIA.
    INFELIZMENTE PARA VOCÊS EU DEVO DIZER QUE O PURGATÓRIO NÃO EXISTE PORQUE O MEU JESUS CRISTO JÁ PAGOU TODOS OS MEUS E NOSSOS PECADOS NA CRUZ DO CALVÁRIO, POIS SE ASSISTISSE REALMENTE O PURGATÓRIO O SACRÍFICIO DE CRISTO TERIA SIDO EM VÃO.

    Buen día.
    Por desgracia para usted, debo decir que EL PURGATORIO EXISTE PORQUE MI JESUCRISTO YA PAGADA Y todos mis pecados en la cruz del Calvario, PORQUE SI REALMENTE EL PURGATORIO asistir al sacrificio de Cristo habría sido en vano.
    ATENCIOSAMENTE:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É EXATAMENTE ASSIM QUE SATANÁS QUER QUE VOCÊ PENSE. Pela sua arrogância, você deve ser protestante. Não se preocupe porque certamente, nem você nem os seus parentes falecidos nunca cometeram pecado algum e estão puros.(segundo a minha Bíblia, nada impuro entra no céu). O PURGATÓRIO É PARA NÓS OS CATÓLICOS, NÓS OS PECADORES QUE DEPENDEMOS DA MISERICÓRDIA DE DEUS. SE A MORTE DE NOSSO SENHOR NA CRUZ FOSSE PARA TODOS OS PECADOS PASSADOS, PRESENTES E FUTUROS, PARA QUE ENTÃO OS EVANGELHOS E OS MANDAMENTOS? Não se preocupe com nossa doutrina, continuaremos rezando pelas almas de nossos falecidos e pelos protestantes também. A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

      Excluir
    2. Boa Noite Garçon França. Na hipótese da inexistência do purgatório, como você explicaria estas passagens bíblicas?

      Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último centavo". (Mt 5,25-26)
      Garçon eu pergunto; sair de onde?

      “Se pegar fogo, arcará com os danos. Ele será salvo, porém passando de alguma maneira através do fogo. (1Cor 3,15)
      Garçon, o que você entende por "será salvo . . .", após a morte, só tem 2 destinos, inferno ou céu.

      Contudo, para chegar ao Céu, pode haver alguma mancha e o purgatório é lugar para purgar porque no Céu não entra nada de impurio. mas TODOS que estão no purgatório tem um destino, e somente um destino, o céu. Purgatório é o fogo de 1Cor 3,15, ou não é?



      "É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que eram detidos no cárcere, àqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes"(1Pd 3,19)
      Garçon, veja novamente a ação do "fogo" de 1cor 3,15.

      "Quem falar contra o Espírito Santo não será perdoado nem neste tempo nem no vindouro...".(Mt 12,32).
      Garçon, existe dois "tempos" de perdão, se você duvidar de de Mateus 12,32, explica o entendimento.



      Excluir
  7. O Museu das Almas do Purgatório foi criado pela Igreja no começo do século passado pelo padre Victory Juet, que pertencia à Ordem do Sagrado Coração de Jesus, fundada em 1854 pelo padre Chevalier, com a finalidade de proferir missa e orações em sufrágio das almas em sofrimento. Esta organização se desenvolveu em Roma a partir do trabalho de Juet que se transformou numa das maiores personalidades de sua época. Foi procurador de Roma, amigo pessoal e de extrema confiança do Papa Pio X.

    Depois de algum tempo e de uma grande quantidade de material selecionado ele fundou o primeiro Museu Cristão de Além Túmulo, com autorização do papa, para legitimar todas as peças que registram aparições de comunicação espiritual entre padres e freiras. Hoje o museu tem a quantidade de peças resumidas, mas é o registro dessas aparições durante muitos anos em diversas igrejas e diversas partes do mundo. A igreja teoricamente admite, através do museu, a comunicação entre os vivos e os mortos.

    ResponderExcluir
  8. Sim, eu sei como é isso, pois depois que minha sobrinha Estefâni Erci de Souza, se suicidou enforcada, os anjos me levaram aonde está, e disseram, ela está no sono profundo, mais quando acordar ela vera quem rezou para ela, e quem à ama de verdade...Me lembro perfeitamente...E depois disso voltei do sono...

    ResponderExcluir
  9. “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento”. Paulo confortou os discípulos com estas palavras: “Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem”

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.